Nossos conceitos na vida real

Fui convidada a escrever um artigo sobre os conceitos do DeRose Method. Mas, Talitha, o que que é isso? Eu poderia, simplesmente, dar a resposta padrão: é uma Cultura, uma proposta de estilo de vida com ênfase em boa qualidade de vida, boas maneiras, boas relações humanas, boa alimentação e boa forma. Ou seja, TUDO DE BOM, visando o autoconhecimento, dentre outras coisas.

Achei inspiração em minha última viagem (excelente forma de adquirir boa cultura). Fui com meu marido e minha filha de 6 anos para a Califórnia. Nunca fiz curso de inglês, porém sempre me interessei por essa língua, então eu me garanto numa conversação básica, com meu inglês tupiniquim. O inglês do meu marido não é melhor que o meu.

Passamos alguns “perrengues”, como em qualquer viagem. Por mais planejamento que façamos, ocasionalmente aparece algum imprevisto. Nessas horas, precisamos controlar o stress para podermos enxergar as soluções e fazermos as melhores escolhas. Só é possível fazer isso com alguma dose de autoconhecimento, que é um dos objetivos da proposta do Método.

Uma experiência que ficou marcada em minha memória foi quando resolvemos almoçar e escolhemos um restaurante à beira mar. Em Nossa Cultura, o conceito de boa alimentação se baseia em um cardápio variado, sem ingestão de carnes. Perguntei ao garçom que opção teria para mim e ele indicou um curry de legumes.

 

Chegaram nossos pratos. Recebi um bowl com um ensopado cheio de legumes, super perfumados, que pareciam deliciosos e um pratinho de arroz branco. Minha boca salivou. Dei a primeira colherada. Meus olhos quase saíram das órbitas. Tinha pimenta em doses cavalares. Olhei para as mesas em volta. Outros clientes comiam o mesmo prato, como se fosse papinha de nenê.

Ok, preciso confessar uma coisa. Sou fraca para pimenta (olha o autoconhecimento aí de novo), mas estou trabalhando nisso. Tentei outra vez. Não ia conseguir comer daquele jeito. Meu paladar não está acostumado. “Pesquei” os legumes, misturei com o arroz e terminei meu almoço, deixando só o caldinho.

Pouco depois, o garçom veio perguntar se estava tudo bem e se eu tinha gostado da sugestão. Aprendi no DeRose Method que tudo pode ser dito, com extrema simpatia (boas maneiras). Abri meu melhor sorriso e disse que os legumes estavam bem cozidos. Mas, que para MEU paladar, estava muito apimentado.

Na mesma hora o garçom se desculpou e eu, tentando não deixa-lo desconfortável, disse que era falta de hábito meu comer alimentos mais condimentados e que tinha observado outros clientes saboreando agradavelmente o mesmo prato.

Pedimos a conta. Para nossa surpresa, haviam descontado o valor do curry, em função do meu comentário. Minha intenção não era essa. Eu apenas quis ser sincera com o garçom e comigo mesma. Fui inundada por um sentimento de gratidão e reconhecimento. Resolvi dar de gorjeta o valor correspondente ao prato.

Saí de lá com o coração transbordando de alegria, pela troca de experiências (boas relações humanas). Foi, com certeza, um almoço “quente” e inesquecível.

 

Talitha Martins
Empresária e aluna da Nossa Escola

Marcado com , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − dez =